segunda-feira, 1 de outubro de 2007

Fim-de-semana em Rouen.

Quando estamos longe, a ideia de um fim-de-semana em família faz-nos suspirar. Desta vez (como nos próximos meses...) não pude estar com a minha família, mas tive uma experiência bastante próxima - passei o fim-de-semana com uma família portuguesa em Rouen. A viagem para lá foi invulgar: o meu bilhete não servia como reserva de lugar, por isso passei todo o tempo sentada no chão do comboio, ao lado de um rapaz que parecia o Kurt Cobain e que escrevia poesia! Quando cheguei a Rouen, fui surpreendida por uma cidade medieval, carregada de história, com pináculos de igreja a salpicar a paisagem da "ville aux cent clochers".

A primeira coisa que a Catarina fez foi mostrar-me Rouen de um ponto alto, para que eu pudesse ter uma perspectiva geral da cidade - ideia genial. Depois, demos uma volta de comboio (sim, daqueles turísticos, mas foi giro!) pelas ruas principais, onde pude admirar a arquitectura medieval, as ruas estreitas e a organização da cidade. O primeiro sítio que visitei foi a catedral de Notre-Dame de Rouen, um monumento lindíssimo de arquitectura gótica dotado de uma torre em forma de lanterna, encimada por uma agulha neogótica com 151 metros de altura (a mais alta da Europa!). A fachada da catedral apresenta duas torres completamente diferentes: a Torre St. Romain e a "Tour de Beurre", assim denominada por ter sido paga com o dinheiro das indulgências na quaresma - as pessoas queriam meeesmo comer manteiga! Esta catedral tem ainda a particularidade de albergar o coração de Ricardo, Coração de Leão e de ter sido pintada obsessivamente por Monet (quase 30 telas...)!

[interior da catedral: a torre-lanterna.]

[fachada: à esquerda, a torre St. Romain; à direita, a "tour de Beurre".]

[uma das muitas casas lindas que se encontram pelas ruas de Rouen.]

Depois de visitar a catedral, fui em direcção ao Gros Horloge, um relógio astronómico do século XIV, com detalhes renascentistas, em perfeito estado de conservação. Este relógio marca apenas as horas, e não os minutos, mas contém ainda um "semainier", que indica o dia da semana em que nos encontramos através de uma gravura mitológica, bem como um mecanismo que indica as fases da lua. Visitámos também o museu do tempo, onde pudemos ver o interior do relógio, o atelier dos relojoeiros, assim como uma série de curiosidades relacionadas com o tema. É, sem dúvida, um local digno de visita!

[o Gros Horloge, infelizmente com demasiada luz por trás...]

[vista de uma das janelinhas redondas que existem no relógio.]

A seguir, fomos à Place du Vieux Marché, onde se encontra a Igreja de Santa Joana d'Arc, bem como o monumento aí levantado em memória do seu martírio (sim, dizem que foi ali que ela foi queimada...). Esta igreja tem uma tripla finalidade: honrar Santa Joana d'Arc do ponto de vista religioso, prestar-lhe homenagem pelo seu heroísmo (enquanto memorial civil) e ainda conservar os vitrais da antiga igreja de Saint Vincent, destruída na segunda guerra mundial. A arquitectura tem forte influência marítima, como ressalta da forma do tecto (casco de um barco) e das janelas (peixes estilizados). Os vitrais de 1520-1530 estão perfeitamente harmonizados com as formas modernas da igreja - é verdadeiramente um local maravilhoso.

[o tecto com influência náutica.]

[pequena amostra dos vitrais do séc. XVI.]

[Santa Joana d'Arc, martirizada no local a 30 de Maio de 1431, acusada de heresia, após ter contribuído para inverter o curso da guerra dos cem anos.]

À noite, tive direito a um jantar fabuloso em família e, depois, a uma saída com o Charles, a Anne-Laure e os amigos deles. Fomos a um bar numa das casinhas medievais da cidade - foi óptimo!

No Domingo, depois de me empanturrar em croissants :] fui com a Catarina, o Hélder e a pequena Constance a Dieppe, um porto magnífico a cerca de uma hora de carro de Rouen. O castelo estava fechado, pelo que não o pudemos visitar, mas o dia foi lindo: estava sol e calor, fomos almoçar as famosas moules com batatas fritas, passeámos na praia e ainda me ofereceram um crepe com nutella (o meu pequeno vício francês)! A praia de Dieppe não tem areia, mas antes pequenos seixos arredondados, que magoam imenso os pés descalços mas que acabam por ficar bonitos na paisagem. O mar espantou-me: não cheira a praia, como o "nosso", e é de um azul pálido, leitoso, cor de opala. Felizmente, o sol deixou-me molhar os pés :]

[castelo de Dieppe e mar!]

[o mar do canal da mancha, tão opala.]

[os famosos seixos, tão girinhos mas tão desconfortáveis! :P]

Antes de ir buscar as malas, ainda demos um último passeio por Rouen, onde pude ver as típicas "chaumières", casinhas com telhado de colmo, bem como as ruas arejadas da parte residencial da cidade, cheias de jardins, árvores e a floresta lá ao fundo!

Na viagem de regresso, consegui vir sentada... quando cheguei a Paris, ainda vinha com aquela sensação boa de ter estado "em casa", de ter dormido num colchão confortável, de ter tido algum miminho. Foi, sem sombra de dúvida, o melhor fim-de-semana que passei em França até agora, sobretudo por causa da Catarina, do Hélder e de toda a família - foram tão queridos para mim que nem sei como lhes agradecer!

Ainda vim a tempo de ir ao cinema e aproveitar o vale que me deram no banco, que acabava a validade no domingo! Fui ver "2 days in Paris", a história de um casal (uma francesa e um americano) que vão passar férias a Veneza e depois passam por Paris, onde a sua relação é posta à prova de todas as maneiras possíveis e imaginárias. Não gostei do filme, por isso não vou fazer mais publicidade :P

Hoje comecei as aulas práticas e estreei-me na chuva parisiense: à hora de almoço, apanhei a primeira chuvada violenta do ano, que nem a roupa interior me poupou! E pronto, agora que já escrevi um post grande demais, vou dormir! :]

2 comentários:

Ed Carrion disse...

As fotos estão lindas. E a descrição que fazes dos locais... Deve ser espetacular... Pelas fotografias dá logo vontade de viver ali. :D

Fazia-me perdido num local desses...

Beijos

:*

Nicha disse...

Estou estúpida a olhar para a foto da fachada da catedral...imagino-te na tua versão própria de Tolkien: "A senhora dos croissants:episódio 2 - as duas torres" =D
bem, adorei ler este teu post...sem dúvida que viajei também um bocadinho...nem posso imaginar o que é estar no sítio onde joana d'arc foi queimada, com quê?19?20 anos?uma heroína no verddeiro sentido da palavra!sentiria uma emoção muito grande, de certeza...e dieppe parece totalmente lindo e selvagem!
fico descansada por andarem a tratar bem de ti...apesar de não ser grande surpresa para mim, já sabia que ias conhecer gente boa como mereces!
read you soon!
beijinhos orvalhadinhos de coimbra para paris