quarta-feira, 26 de setembro de 2007

La Dame à la Licorne.

Está a chover em Paris. As pessoas são formiguinhas tontas nas ruas e no metro, com os chapéus-de-chuva a tapar metade do rosto - parecem estranhos candeeiros de pano e metal com uma boca sisuda e um corpo impermeável, pingando água e impessoalidade. É interessante olhar a rua. Aqui a escala é tão maior! Hoje fui ao Musée National du Moyen Age. Pelo caminho, permiti-me observar todas estas coisas, por isso tive um certo choque quando entrei na primeira sala de vitrais... é uma explosão de cor e formas que não tem mesmo nada a ver com a imagem urbana de Paris à chuva.

A sala que me prendeu mais a atenção foi a dedicada à "Dame à la Licorne", um conjunto de 6 tapeçarias sobre os sentidos (sim, os 5 sentidos tradicionais e uma sexta tapeçaria, intitulada "A mon seul désir", cujo verdadeiro significado permanece uma incógnita). Aproveitei o facto de ir sozinha e sentei-me no meio da sala (que era escura, com focos de luz sobre as tapeçarias) a apreciar o que me rodeava e a pensar. Sim, sou uma sortuda. Estou a viver um sonho e nem me apercebo...

1 comentário:

Ed Carrion disse...

Depois de gotas cintilantes que nem lágrimas uma visita à idade média...

Isso é mesmo sorte. :D

A mon seul désir deixou-me contente. Fez-me realmente esquecer o hospital.

Agradeço mais uma vez. ;)

Beijos :*